Confins do Universo 115 - Neil Gaiman, um sonhador de histórias
OUÇA
Museu dos Quadrinhos

Grilo, um importante momento dos quadrinhos no Brasil

10 fevereiro 2004

Museu dos Quadrinhos, por Marcelo Naranjo

Contracultura, moda psicodélica, ácido e Beatles são palavras que remetem diretamente a um importante momento cultural na história da humanidade. A década de 1960 rompeu paradigmas e influenciou toda uma geração, na música, no cinema e, como não poderia deixar de ser, nos quadrinhos.

A revista Grilo, da Espaço-Tempo Veículos de Comunicação Ltda., trazia reflexos desta época. Foi publicada entre 1971 e 1972, em 48 edições, a princípio semanais e, posteriormente, quinzenais. A tiragem por número era de 30 mil exemplares e boa parte do material nela encontrado surgiu justamente na década de 1960.

Grilo teve o grande mérito de apresentar, pela primeira vez no Brasil, diversos autores que marcaram época no universo dos quadrinhos.

O título era publicado no formato tablóide, com duas capas distintas e 16 páginas.

Grilo # 1Grilo # 2

As duas capas eram por um motivo curioso: a revista chegava às bancas dobrada uma segunda vez (o que escondia a capa principal, sempre maior), ficando próxima do tamanho hoje convencionado como formato americano, tudo para facilitar sua exposição aos leitores.

A partir do número # 25, ela passou a sair em formato magazine. A mudança marcou também a ampliação dos títulos publicados na revista.

Do número 1 até o 24, o conteúdo era formado principalmente pela publicação de tiras. Confira:

Peanuts, por Charles M. Schulz - A turminha do Charlie Brown e o famoso cachorrinho Snoopy dispensam grandes apresentações;

Peanuts

Tumbleweeds, por Tom K. Ryan - Também conhecida como Kid Farofa. Heróis covardes e atrapalhados, apaches divertidos (quando não estúpidos), um bêbado impagável e outras figuras do Velho Oeste, em tiras engraçadas;

Tumbleweeds

B.C. (a.C. em português), por Johnny Hart - A conhecida série dos homens pré-históricos, com problemas típicos dos nossos dias;

The Wizard of Id (O Mago de Id em português), por Brant Parker e Johnny Hart - O Reizinho querendo impor autoridade e nunca conseguindo, um mago e sua mulher mandona, o bobo da corte, o guerreiro preguiçoso, um prisioneiro há muito na masmorra e outros divertidos personagens, já publicados em diversos jornais;

Horace & Buggy, por Don Edwing e Paul Coker - Uma prova que o mundo dos insetos pode ser muito engraçado, quando não complicado;

Pogo, por Walt Kelly - Criado em 1948, trata de diversos animais em situações remetendo ao mundo de fábulas, com o autor refletindo sobre os valores da sociedade;

Luther, por Brumsic Brandon Jr. - Um garotinho negro e sua turminha de amigos;

Little No-No & Sniffy, por George Fett - O relacionamento entre pai e filho (cachorros) e muita confusão entre diversos animais;

Grilo # 3Grilo # 4

Miss Peach, por Mell Lazarus - Um grupo de crianças vivendo a problemática dos adultos;

Valentina, por Guido Crepax - Uma grande estréia no número # 7 da revista. Pela primeira vez, a famosa criação do "papa" dos quadrinhos eróticos aparecia, com direito a uma introdução para o material que começava a ser publicado. Neste número, também teve inicio a seção de cartas;

Jules Feiffer - Espaço dedicado ao artista que iniciou carreira trabalhando com Will Eisner, em The Spirit. Com estilo próprio, faz críticas à sociedade em geral e à classe política.

Bristow, por Frank Dickens - Um homem filosofando em meio às minúcias do ambiente de trabalho;

Andy Capp, por Reg Smythe - Mais conhecido como Zé do Boné, esse malandro, que quer mais é ficar num boteco tomando umas, voltando quase sempre bêbado para casa, para desespero da mulher - e vivendo às custas dela, faz sucesso por aqui há tempos. Aliás, difícil não simpatizar com ele.

A segunda fase da revista começou a partir do número # 25 (dedicado exclusivamente a Charlie Brown e sua turma), com novo formato e mais páginas (36). Grilo apresentou novos personagens, e trouxe o underground americano ao Brasil.

Além das séries, diversas histórias foram publicadas. Essa mudança pode ser conferida no estilo das capas adotadas a partir de então, com cores fortes predominando.

Mr. Natural, de Robert Crumb Paulette, por Wolinski e G. Pichard

E, falando em cores, o título, que era em preto-e-branco, passou a apresentar-se como "a cores" (nota do UHQ: o correto seria "em cores"), embora elas só existissem na capa e num pôster central. A seguir, o que foi apresentado nas edições:

Robert Crumb - A revista foi a primeira a publicar no Brasil histórias do famoso artista, considerado o maior nome do quadrinho underground americano. Crumb chegou no número # 26, com Whiteman, seguido por Mr. Natural e outros personagens e histórias;

Paulette, por Wolinski e G. Pichard - Uma deliciosa e voluptuosa garota que passa por grandes perigos após ser raptada, por ser herdeira de uma fortuna, em ritmo de art nouveau;

Wolinski - Um artista europeu que quebrou regras, com conteúdo sarcástico, principalmente erótico e também abordando outros assuntos;

Reiser (Jean-Marc Reiser) - Artista francês com charges e histórias de humor forte e, por vezes, cruel;

Willem (Bernard Willem Holtrop) - Outro quadrinhista da Europa, nascido na Holanda, com bom humor crítico e erótico;

Na Grilo # 27, a estréia de artistas nacionais. Começou com Cláudio Martins, de Minas Gerais, com a história SR. Outra mudança ocorreu neste número: as páginas internas, em vez do tom preto, passaram a ser impressas em azul. Nas edições seguintes, outras cores foram utilizadas.

Wolinski Lucy

A edição # 35 trouxe mais um aumento no número de páginas (56 páginas). E dois números depois, mais um salto: 64 páginas e a inclusão de fotonovelas de humor, a seção As Dicas do Professor Choron (criação de Wolinski), com pérolas ensinando, por exemplo, como transformar uma cueca velha em camiseta; e HQs completas. Seguem algumas:

Sonhos Cruzados, por Gore;

Os Herdeiros da Terra, por Gore;

O Karma de Gaargot, por Sérgio Macedo;

Casarão de Harvey, o Horrível, por Gore;

O Mensageiro, por Jim Osborne;

Bonnie & Clyde, por Guido Crepax;

Testicles o Tautologista, por Jaxon;

O Perdedor, por Jim Osborne;

O Segredo, por Jaxon;

Freak Brothers, por Gilbert Shelton;

As Aventuras de Zimmerman - Tony Hendra e Sean Kelly (roteiro) e Neal Adams (arte);

O Espírito, por Will Eisner;

A Queda da Casa de Usher, por Dino Battaglia;

Como Howie achou a saída no mundo real, por Gore;

Na Calada da Noite, por Jim Osborne;

As Aventuras do Super-Morto - Henry Beard e Dick Giordano (roteiro) e Neal Adams (arte);

Chapeuzinho Rasgado, por Max Bunker e Gianpaolo Chies;

Cacete em Quadrinhos, por Robert Williams;

Emma contra os Rebeldes, por Willem;

Perseguição, por Archie Goodwin e Alex Toth;

Conflito na Guerra, por Gore.

Grilo # 5Grilo # 6

Boa parte das histórias acima é assinada pelo artista Gore, pseudônimo utilizado pelo hoje mundialmente conhecido Richard Corben, que tem desenhado várias HQs de super-heróis nos últimos tempos, como Cage, que foi publicada aqui em Marvel MAX, da Panini Comics.

Já a história O Karma de Gaargot traz o brasileiro Sérgio Macedo, que posteriormente iria trabalhar no exterior, na França, desenhando para a Métal Hurlant, Linus e para a Heavy Metal americana.

Algumas das HQs, como as desenhadas por Neal Adams, foram publicadas originalmente na famosa revista americana de humor National Lampoon.

Na edição # 39 houve mais uma estréia de peso, com Gilbert Shelton, criador dos Freak Brothers, na história Bem, eu não tenho ninguém. E, no número # 44, foi a vez de Don Martin, conhecido por seu trabalho na Mad.

Em relação às HQs publicadas, autores como o quadrinhista Jaxon (Jack Jaxon), Jim Osborne, Jim Franklim, Larry Welz e Robert Williams fazem parte da escola do underground americano. Inclusive alguns consideram Jaxon com o primeiro artista do gênero.

Merece destaque também A Queda da Casa de Usher, com belas ilustrações do grande artista italiano Dino Battaglia.

Grilo # 7Grilo # 8

Na derradeira edição da Grilo, a número # 48, uma ótima entrevista com o saudoso Henfil.

Outro diferencial na trajetória da revista foi a publicação de contos curtos, geralmente de ficção e terror. Além disso, a partir da edição # 22, as seções Grilos e Super Grilos traziam informações sobre o que estava sendo publicado no exterior, os artistas, super-heróis, revistas estrangeiras, livros sobre quadrinhos e outros.

Algumas liberdades foram tomadas pelos editores. Por exemplo, a edição # 1 formava um pôster, na contracapa, com Lucy (de Snoopy) grávida, gritando "Você me paga, Charlie Brown!".

Já o segundo número tinha, também na contracapa, o mago de Wizard of Id conjurando um feitiço, e uma bela garota nua saindo do caldeirão.

Grilo também teve dois almanaques publicados:

Almanaque Grilo - Uma edição aumentada da revista, com HQs, tiras e textos sobre Feiffer, Crumb e Valentina;

Almanaque Underground - Diversas histórias completas de Crumb (inclusive Fritz the Cat), Richard Corben, Larry Welz, Gilbert Shelton e Jim Franklim.

Personagens da revista Grilo

Foram lançadas também três edições especiais: Valentina, por Crepax, e Paulette, por Wolinski e Pichard, como álbuns; e Mr. Natural, por Crumb, em formato pocket.

Embora alguns aspectos deixassem a desejar, como a tradução de algumas histórias ou impressão ruim neste ou naquele número, ainda assim, Grilo foi um grande passo, um diferencial em relação aos quadrinhos até então direcionados para o público jovem e adulto no Brasil. E virou referência e inspiração para inúmeras publicações posteriores.

Marcelo Naranjo gostaria de ter aproveitado os anos 1960, com aquela história toda de liberdade e mulheres sem roupa. Nós achamos que o cara anda tomando muito chá de cogumelo, mas... sem grilo!

Grilo # 9Grilo # 10Grilo # 11Grilo # 12Grilo # 13Grilo # 14Grilo # 15 Grilo # 16 Grilo # 17 Grilo # 18 Grilo # 19 Grilo # 20Grilo # 21Grilo # 22Grilo # 23Grilo # 24Grilo # 25Grilo # 26Grilo # 27Grilo # 28Grilo # 29Grilo # 30Grilo # 31Grilo # 32Grilo # 33Grilo # 34Grilo # 35Grilo # 36Grilo # 37Grilo # 38Grilo # 39Grilo # 40Grilo # 41Grilo # 42Grilo # 43Grilo # 44Grilo # 45Grilo # 46Grilo # 47Grilo # 48

Já são mais de 570 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA