Confins do Universo 112 - É guerra! Quadrinhos no front!
OUÇA
Notícias

A história do humor gráfico brasileiro, num livro espanhol

27 janeiro 2006

Historia del Humor Grafico en Brasil A
história do humor gráfico brasileiro acaba de ganhar um livro... em espanhol!
Sim, você não leu errado. O cartunista pernambucano Lailson Cavalcanti
escreveu a obra, intitulada Historia del Humor Grafico en Brasil
(formato 17,3x24 cm, 334 páginas, 13 euros, à venda neste
link
), é o quinto volume da Colección Historia del Humor Gráfico,
editada pela Editorial Milenio com a colaboração da Universidad
de Alcalá de Henares
.

O prefácio é do também cartunista Zélio Alves Pinto.

Esta coleção faz o levantamento deste gênero da expressão gráfica e plástica situado entre a arte e o jornalismo, nos países ibero-americanos. Além do Brasil, já foram publicados os livros sobre o México (por Alejandro Perez Basurto), Portugal (Osvaldo Macedo de Sousa), Espanha (Luís Conde Marín), Venezuela (Ildemaro Torres). E em breve a série deverá ganhar os acréscimos de Peru e Equador; Colômbia; Cuba; Argentina; El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua; Porto Rico, Panamá, República Dominicana e Costa Rica; Uruguai; Bolívia e Paraguai; Latinos nos Estados Unidos; e países não-hispano/portugueses na América.

Segundo Lailson, o livro começa com as primeiras imagens e gravuras humorísticas européias que incluem o Brasil como tema, fazendo também uma análise (voltada para o leitor estrangeiro) sobre o que caracterizaria o senso de humor brasileiro de uma maneira geral.

Depois, discorre sobre o que considera ser a primeira charge publicada no Brasil - O Carcundão, de 1831, satirizando os "corcundas" do Partido Restaurador que eram apoiados pela Sociedade Colunas do Trono -; os primórdios da imprensa humorística na Corte Imperial (há um capítulo sobre o humor nas províncias de São Paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul); os três grandes mestres da época: Angelo Agostini, Rafael Bordalo Pinheiro e Luis Borgomainerio.

Em seguida, vem o humor na Primeira República, nos tempos de revoluções e guerras, a breve democracia que vai até meados dos anos 60, na ditadura militar de 1964 (com destaque para o Pasquim e o Salão de Piracicaba) e um tour de Norte a Sul do País, levantando os cartunistas e publicações mais importantes em cada estado.

O último capítulo faz uma análise das possibilidades do humor gráfico neste princípio de século.

Agora, fica a torcida para que alguma editora brasileira se interesse em lançar este livro em nossas terras. Num segmento com tão poucas referências bibliográficas, seria uma excelente pedida, sem dúvida.

Já são mais de 470 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA