Confins do Universo 114 - Os 70 anos de Peanuts
OUÇA
Notícias

Morreu Luis Augusto Gouveia, autor de Fala, menino!

22 janeiro 2018

O dia 20 de janeiro de 2018 começou com uma notícia extremamente triste para o quadrinho nacional: morreu, vítima de um enfarte, o baiano Luis Augusto Gouveia, autor da série Fala, menino! O sepultamento aconteceu ontem, no cemitério Bosque da Paz, em Salvador. O autor tinha 46 anos (completaria 47 no próximo dia 3 de fevereiro), e deixa o filho Ben.

Peço licença aos nossos leitores, mas este obituário terá um tom diferente do utilizado habitualmente no site. Porque Luis Augusto era uma pessoa muita querida por mim. Eu o conheci no final dos anos 1990, quando o Universo HQ nem existia ainda. A preocupação que ele tinha em realizar a inclusão nos seus trabalhos – muito, muito antes de se falar mais sobre isso com a ênfase necessária – me encantou.

Devorei todos os livros que ele me enviou de Fala, menino! – nunca descobri como ele conseguiu meu endereço na época. E, para quem não conhece o material, que existe desde 1996, o protagonista da série, Lucas, nunca disse uma palavra! Grande sacada, né? E a diversidade se estendia aos demais personagens. Rafael é cego, Mirela é surda, Mateus é autista, Esmolinha e Diogo são crianças de rua etc. Luis Augusto abordava tudo em seus trabalhos: separação de pais, homossexualidade, racismo, pobreza, religiões, deficiências físicas. Sempre sob um ponto de vista lúdico.

Luis Augusto e seu filho, Ben

O resultado foram prêmios como o HQ Mix de melhor livro infanto-juvenil de 1997, e o primeiro Prêmio Ibero-americano de Comunicação pelos Direitos da Infância e Adolescência, do UNICEF, em 1999.

Como me tornei fã do material, quando o Universo HQ mudou de visual pela primeira vez, em março de 2001, convidei Luis Augusto a ter as tiras de Fala, menino! publicadas no site, ao lado de Flávio Luiz, com Rota 66, do mestre Julio Shimamoto, com Gaúcho, e dos hoje saudosos Flavio Colin, com Vizunga, Renato Canini, com Tibica, e Antonio Cedraz, com Turma do Xaxado.

A partir daí, acompanhei o trabalho de Luis Augusto pela internet e nos encontros que tínhamos em eventos pelo Brasil; e era sempre recebido com um sorriso aberto, um caloroso abraço e muitas novidades. Ele publicou dezenas de livros (de quadrinhos e literatura) de Fala, menino!, por diferentes editoras, teve animações da série e estrelou várias campanhas institucionais com seus personagens.

Em 2010, tive o prazer de editar uma história dele na coletânea MSP + 50 – Mauricio de Sousa por Mais 50 Artistas (Panini), na qual Lucas contracena com os personagens da Turminha.

Há alguns anos, Luis passou a produzir outra série: Ben e a bisa, baseada nas peripécias reais de seu filho, que também ganhou vários livros. As histórias eram postadas em seu site oficial e nas redes sociais do autor.

Muito antenado em tudo ligado à Cultura Pop, Luis Augusto era um grande fã de séries e, especialmente, do Superman. Suas últimas postagens foram exatamente ligadas a isso: no Facebook, desaprovando a volta da "cueca" vermelha ao uniforme do Homem de Aço; e no Instagram, uma foto da sua coleção de naves de Star Trek.

A paixão de Luis Augusto pelos quadrinhos e, principalmente, a sua preocupação em levar ao público infantil as mais diversas visões da vida farão uma falta danada. Que sua obra siga falando por ele.

Fala, Menino!

Já são mais de 540 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA