Confins do Universo 113 - Quadrinhos como objeto de estudo
OUÇA
Reviews

Dark # 3

Dark # 3Editora: Panini Comics - Revista Mensal

Xiboletes e álcool (Justice League Dark # 3) - Peter Milligan (roteiro), Mikel Janin (arte) e Ulisses Arreola (cor);

Totens (Animal Man # 3) - Jeff Lemire (roteiro), Travel Foreman (arte) e Lovern Kindzierski (cor);

De um lado para o outro (Resurrection Man # 3) - Dan Abnett & Andy Lanning (roteiro), Fernando Dagnino (arte) e Santi Arcas (cor);

Torpor (I Vampire # 3) - Joshua Hale Fialkov (roteiro), Andrea Sorrentino (arte) e Marcelo Maiolo (cor);

Venha a mim, criança (Swamp Thing # 3) - Scott Snyder (roteiro), Yanick Paquette (arte) e Nathan Fairbairn (cor).

Preço: R$ 8,99

Número de páginas: 104

Data de lançamento: Setembro de 2012

Sinopse

Liga da Justiça Dark - A poderosa Feiticeira inicia sua caçada por June Moon.

Homem-Animal - Buddy e sua filha Maxine fazem uma ensandecida viagem ao Vermelho em busca de respostas.

Monstro do Pântano - O passado finalmente alcança Alec Holland. E não pretende ser nem um pouco agradável com ele…

Eu, o vampiro - Conheça os aliados humanos de Andrew Bennet na guerra contra a Rainha do Sangue.

Ressurreição - Mitch contra as Dublês de Corpo.

Positivo/Negativo

Liga da Justiça Dark - Os personagens se articulam e a trama se desenvolve bem.

Zatanna e Constantine dão a entender que tiveram um relacionamento no passado, o que no universo pré-reboot era bem estabelecido. Shade e Madame Xanadu se encontram e fica a dúvida: de que lado os dois personagens estariam? O Desafiador começa a flertar com June Moon, o que cria uma tensão por causa do relacionamento dele com a Columba. É interessante observar que só agora June tem sua função na história revelada.

A arte, que não era ruim, melhora bastante e consegue ser grotesca quando necessário. Na página 18, há dois easter eggs bacanas: em cima da cama tem uma edição de The Secret Seven # 1, é outra de Deadman and the Flying Graysons # 1, ambas tie-ins de Flashpoint. Foi na primeira, escrita por Peter Milligan, que apareceu o conceito da Liga da Justiça Dark. E a segunda foi colorida por Mikel Janin, que fez a arte desta edição.

Homem-Animal, com um roteiro incrível e uma arte esplêndida, é o que faz a revista valer a pena. A trama se divide em dois núcleos: Buddy e Maxine se aventurando pelo Vermelho e a Sr.ª Baker e Cliff se defendendo dos agentes da podridão em casa.

Enquanto no primeiro plot rola uma explicação sobre os poderes de Buddy e Maxine, o outro diverte ao mostrar uma mãe desesperada para salvar sua vida e a do filho enquanto tenta controlar os palavrões que o garoto diz.

Na edição anterior, Ressurreição terminou com a promessa de que iria melhorar. Mas não cumpriu!

A "alma" de Mitch viaja para o "limbo". Lá, ele é contatado por uma entidade que se diz do inferno. Enquanto isso, na Terra, as Dublês de corpo discutem se ele vai ressuscitar ou não. O que poderia ter sido um gancho interessante com as outras revistas da linha sobrenatural da DC não passou de uma ameaça vaga e desconexa com a trama.

A arte é competente, mas, na tentativa de superar o roteiro ruim, insiste em só destacar decotes e calcinhas das Dublês de corpo.

Eu, o vampiro continua surpreendendo. Por meio da narrativa do professor John Troughton, é mostrado um pouco mais do passado do vampiro Andrew e como funcionam seus poderes. A participação da jovem Tig dá humor à trama, mas sem cair no deboche. No final, uma ótima pista revela a participação especial de Batman na próxima edição.

Em Monstro do Pântano, o trabalho de Yanick Paquette surpreende, criando paginas lindas e sutilezas que enriquecem a história. O escritor Scott Snyder desenvolve bem a trama, ao criar três camadas que se interligam.

Primeiro, a história do garoto que vive isolado em uma bolha, que começa com um humor negro e desaba para um ótimo conto de terror. Depois, o encontro conturbado de Abigail Arcane e Alec Holland e, de quebra, a explicação para o relacionamento entre ela e o Monstro do Pântano.

A história termina com um gancho bacana, que envolve os laços familiares dos personagens, algo que sempre foi abordado nas antigas histórias do personagem.

Classificação

3,5

Leia também
Já são mais de 490 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA