Confins do Universo 117 - Dissecando The Walking Dead
OUÇA
Reviews

KID FAROFA, O BAMBA DO FAROESTE

1 dezembro 2011

KID FAROFA, O BAMBA DO FAROESTE

Editora: Artenova - Edição especial

Autor: Tom K. Ryan (textos e desenhos).

Preço: Cr$ 3,50 (preço da época)

Número de páginas: 120

Data de lançamento: Junho de 1973

 

Sinopse

O melhor da série de faroeste cômico Kid Farofa (Tumbleweeds, no original), criada pelo cartunista norte-americano Tom K. Ryan, em edição de bolso com tiras verticais em preto e branco.

Positivo/Negativo

Criado em 1965, o caubói Kid Farofa se despediu dos quadrinhos em 2007, quando estrelou sua última tira de jornal, nos Estados Unidos.

No Brasil, nas décadas de 1960 e 1970, o personagem teve uma passagem de sucesso pela editora Artenova, sempre presente no gibi Patota ou estrelando suas próprias edições regulares ou especiais.

Até os anos 1990, ainda era possível encontrá-lo na seção de tiras de alguns jornais do País, o que já não garantia a ele o alcance necessário para conquistar novos fãs.

Para quem acompanhou a fase áurea de Kid Farofa, restam as boas lembranças. Aos que não conhecem o personagem, a pedida é procurar em sebos ou sites de leilão as edições da Artenova.

Como esta, que na capa estampa Pockets Artenova # 3 - Kid Farofa, o bamba do faroeste, mas na lombada, curiosamente, traz Kid Farofa Almanaque # 2 - o expediente da revista não registra nenhum dos dois nomes.

Essa confusão, que ainda hoje atormenta os que querem completar a coleção, era causada pelos muitos títulos da série de pockets da editora, que incluía Snoopy, Hagar, B.C. (que se passava nos tempos pré-históricos) e vários outros.

Além do parvo personagem-título e seu fiel cavalo Épico, estão presentes na edição o bandoleiro Olho-de-Cobra; o papa-defunto Barros; o impagável bebum Ressaca; a sonhadora Ermengarda, que vive tentando arrastar Kid Farofa para o altar e até o carrega nos braços; os índios Sortudo - na verdade, um azarado por natureza - e Búfalo Bucólico, um brutamontes abobalhado; e muito mais, incluindo os hilários soldados do Forte Ridículo.

Todos com seu inconfundível semblante imbecil que faz rir à primeira vista.

Situações comuns nas histórias de faroeste, como tiroteios, assaltos a banco, fugas da cadeia, confrontos com índios e o tédio das ruas desertas e poeirentas das pequenas cidades (neste caso, a minúscula Garganta Seca), ganhavam nas tiras de Kid Farofa contornos cínicos, satíricos e bem amenos, como se o duro e indomável Velho Oeste norte-americano tivesse sido uma grande diversão.

É o que mostra nesta edição a divertida sequência em que o chefe dos índios Poohawk realiza o Seminário das Bárbaras Artes, no qual ensina, dentre outras lições, técnicas de escalpelamento - ou melhor, "retirada à força da epiderme craniana", expressão correta para quem deseja ser um selvagem civilizado, segundo suas palavras.

Estaria na velha Garganta Seca a origem do politicamente correto?

Classificação:

4,0

Leia também
Já são mais de 570 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA