Confins do Universo 112 - É guerra! Quadrinhos no front!
OUÇA
Reviews

SURFISTA PRATEADO – RÉQUIEM # 1

6 setembro 2009


Autores: J. Michael Straczynski (roteiro) e Esad Ribic (arte).

Preço: R$ 5,90

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Dezembro de 2008

Sinopse: Depois de sentir-se mal, o Surfista Prateado busca a ajuda de Reed Richards e o Quarteto Fantástico, mas descobre que vai morrer.

Em seguida, o ex-arauto de Galactus se encontra com o Homem-Aranha e, antes de deixar a Terra, dá um presente para toda a humanidade.

Positivo/Negativo: Eis uma grande história do Surfista Prateado.

Ele é um personagem estranho: parece a estatueta do Oscar e singra o espaço sobre uma prancha de surfe, divagando sobre a vida, a morte, a estrelas, os seres vivos. Mas todos esses elementos, juntos, o transformaram no personagem filosófico da Marvel.

E como já disse Albert Camus, escritor e filósofo francês, existe uma única grande questão filosófica: se a vida vale a pena. O Surfista Prateado às portas da morte é a combinação precisa para essa discussão nos quadrinho Marvel.

Não espere (ou tema) uma discussão muito aprofundada sobre a vida e a morte, mas ela permeia toda a revista. Na história de abertura, o Surfista Prateado vai até Reed Richards em busca de ajuda, mas obtém a confirmação de que está morrendo. A razão disso é uma bela sacada de Straczynski, que aproveita para recontar a origem do herói e sua primeira aparição.

O texto de Straczynski é totalmente condizente com o personagem: elucubrações, perguntas certeiras, questionamentos de quem não entende coisas que já assimilamos como naturais. Destaque também para a condução narrativa da história. Um roteirista menos experiente ou talentoso teria um largo campo para se perder - e levar junto o leitor.

No entanto, soa estranha a opção por criar um "suspense" sobre o que de fato acontece com o herói, dando a informação de que ele está morrendo apenas no final da primeira parte. Afinal, a revista tem o subtítulo Réquiem e foi alardeada como "a história da morte do Surfista".

A arte "cósmica" de Ribic é outro ponto forte, com ótimas cores, boas expressões e enquadramentos. Os painéis pintados remetem à tradição iconográfica do personagem, que, durante sua carreira, foi muito bem tratado por artistas do quilate de Jack Kirby e John Buscema.

A segunda aventura, com o Homem-Aranha, é muito bonita e traz um momento tocante: um presente de aniversário para Mary Jane único, seguido da última bênção do Surfista para a humanidade antes de partir de volta para seu planeta, Zenn-la.

Nessa passagem, Straczynski mostra-se totalmente à vontade, pois lida com um personagem que escreveu por muitos anos, o Homem-Aranha. E ainda há a resposta de por que o Surfista usa uma prancha.

É aqui que o leitor entende quem é o Surfista Prateado, ou melhor, Norrin Radd: um alienígena pacifista e pleno, cujo maior desejo é estender isso para todo o Universo.

Em ambas as histórias, o sobrenome do roteirista é creditado como Straczynksi, em vez de Straczynski, um erro que passou pelos editores. E uma informação extra, que não consta da edição: a primeira parte da revista chama-se Kyrie; e segunda, Sanctus, que são os nomes das divisões da missa de réquiem, a missa fúnebre.

 

Classificação:

4,0

Leia também
Já são mais de 470 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA