Confins do Universo 123 - Destaques de 2020
OUÇA
Reviews

Vertigo # 24

24 fevereiro 2012

Vertigo # 24Editora: Panini Comics - Revista mensal

Inventória (Joe the barbarian # 4) - Grant Morrison (roteiro), Sean Murphy (arte) e Dave Stewart (cores);

Guerra fantasma (American Vampire # 15) - Scott Snyder (roteiro), Rafael Albuquerque (arte) e Dave McCaig (cores);

Elegias (House of mystery # 20) - Matthew Sturges (roteiro), Luca Rossi e Michael WM Kaluta (desenhos), José Marzán Jr. e Michael WM Kaluta (arte-final) e Lee Loughridge (cores);

A fúria em suas entranhas (Scalped # 24) - Jason Aaron (roteiro), R.M. Guéra (arte) e Giulia Brusco (cores);

Via-Crúcis (Hellblazer # 198) - Mike Carey (roteiro), Marcelo Frusin (arte) e Lee Loughridge (cores).

Preço: R$ 9,90

Número de páginas: 128

Data de lançamento: Novembro de 2011

Sinopse

Inventória - Joe consegue começar a descer a escada pra chegar até a cozinha, ou seria outra montanha que o predestinado Menino que morre desceu?

Guerra fantasma - Os soldados norte-americanos descobrem que há outro tipo de vampiro na ilha. E que existe um lugar misterioso guardado pelos japoneses. Enquanto isso, Pearl Jones se passa por enfermeira e embarca para reencontrar seu amado.

Convergência - Os moradores da casa e Caim terão que chegar a um acordo. Várias pontas se amarram e Fig precisa tomar uma importante decisão.

A fúria em suas entranhas - Corvo Vermelho toma sua decisão e tenta resolver a sua responsabilidade com a alma de Gina Cavalo Ruim e os massacres que o Sr. Fodão tem feito na reserva.

Via-Crúcis - John Constantine, sem memória, é aprisionado pelo Salvador em sua igreja. Agora, o mago inglês luta para não se tornar parte de um plano de vingança.

Positivo/Negativo

Nesta edição da revista, três continuações e dois encerramentos.

Continua a rodar a minissérie de oito partes Joe, o bárbaro, escrita por Grant Morrison. Do jeito que as coisas vão até aqui, a obra parecia caber em quatro ou cinco edições. A se ver se, ao amarrar tudo, o escritor escocês justifica tanta lentidão na narrativa. A arte de Sean Murphy é excelente, como sempre.

Em Hellblazer, a trama permanece sob a batuta de Mike Carey, com arte de Marcelo Frusin. E, de novo, os desenhos se sobrepõem ao texto. Mas, verdade seja dita, nunca a histórias do roteirista pro mago inglês estiveram tão interessantes desde a perda de memória.

O receio do leitor é o mesmo dos promissores arcos anteriores: que acabem tão mal que todo o passado seja reavaliado para baixo. Por enquanto, é uma leitura agradável.

Na HQ de Scott Snyder e Rafael Albuquerque, o misto de trama de guerra e terror tem dado bom resultado. A arte do brasileiro é destaque na revista como um todo. Esta aventura traz poucas novidades (por enquanto) para o plot maior, mas tem funcionado bem individualmente. A quantidade da ação sobe e aumentam as emoções para o leitor.

Além dessas três séries, há outras duas que chegam a um ponto de equilíbrio.

Escalpo, o material de Jason Aaron e R. M. Guéra, tem sido o melhor da revista mix desde a sua estreia. Aqui, conclui-se a trama que pode levar Corvo Vermelho à redenção.

Vale notar que o protagonista da série, Dashiell Cavalo Ruim, está um pouco à parte, surgindo em um ou outro quadro, ao fundo. Com essa folga, o escritor se concentra em desenvolver os demais personagens e, com isso, fortalecer toda a trama.

E a grande surpresa é Casa dos mistérios. Depois de uma lengalenga que tendia ao infinito, a série encerra um longo arco, com o mesmo jeitão de fim de temporada de seriados televisivos. A coisa é tão bacana que aquilo que veio antes parece um pouco melhor. E ainda sobra ao leitor a pergunta: não poderiam ter enrolado menos?

Aparentemente, sim. Certos cortes e algumas edições a menos fariam um bem danado à série.

O engraçado é que a série sobe de nível bem no momento em que pega uma folga em Vertigo, para retornar somente na edição 27. Que volte bem descansada.

Classificação

4,0

Leia também
Já são mais de 640 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA