Confins do Universo 112 - É guerra! Quadrinhos no front!
OUÇA
Universo Paralelo

Recruta Zero, o gibi que queremos de volta às bancas

9 agosto 2019

Fenômeno em longevidade editorial, número de fãs e qualidade artística. Lido, diariamente, por cerca de 200 milhões de pessoas em mais de 50 países.

O humor inteligente, rápido, rasteiro e que envolve os mais diversos assuntos - política, religião, sexo, esporte, sociedade, comportamento humano, guerras, situações cotidianas ou o simples nonsense - nas tiras escritas durante décadas por Mort Walker, é a principal característica de suas aventuras nos quadrinhos, vividas quase na totalidade no Quartel Swampy, o pior (no melhor dos sentidos, para os leitores) do exército dos Estados Unidos.

O preguiçoso Recruta Zero (Beetle Bailey, no original) foi um dos pesos-pesados dos quadrinhos no Brasil durante muitos anos. Ele estreou em 1952, com o nome Recruta 23, na revista A Mão Negra, da Gráfica Novo Mundo.

Estrelou seu próprio gibi de 1962 a 1986 – incluindo almanaques especiais e edições de bolso com tiras -, pela RGE. Nesse período, também foi desenhado por artistas brasileiros em HQs produzidas pela própria editora. Dentre os principais artistas estava Primaggio Mantovi, que a partir dos anos 1970 fez história nos quadrinhos Disney da Editora Abril. Uma curiosidade: o desenhista ítalo-brasileiro sempre assinava seu nome no primeiro quadro das HQs.

Ao mudar para a Globo, em 1987, Recruta Zero teve a numeração recomeçada e ainda ganhou mais um título bimestral, além de coletâneas de tiras em formato pocket. No entanto, não sobreviveu à famigerada onda de cancelamentos do início dos anos 1990, que eliminou das bancas muita coisa boa que deixou saudades.

Em 1995, a Editora Saber entrou novamente em cena para trazer de volta o personagem em edições especiais coloridas, almanaques e um título mensal em preto e branco, que não chegaram a entrar no novo milênio. De 1970 a 1975, a editora havia publicado as tiras do personagem no gibi Zé, o Soldado Raso, em que os nomes dos integrantes da Companhia A foram mudados para não conflitar com o que era publicado na revista regular do Recruta Zero na RGE.

Pela Opera Graphica, Zero ganhou algumas edições em formatinho, nas coleções King Komix e Opera King, a partir de 2001, e um especial gigante de luxo (Ano Um), em capa dura, em 2006 – no mesmo ano, a L&PM publicou dois pockets, assim como havia feito em 1988 e 1991 (ano em que a Sampa também lançou duas edições de bolso do personagem).

Ainda em 2006, a Mythos lançou três números de Recruta Zero em formatinho. Outro luxuoso álbum gigante (Os Anos Dourados) foi lançado tempos depois, dessa vez pela Editorial Kalaco, em 2011.

O último suspiro do personagem nas bancas do Brasil – ao menos por enquanto – aconteceu na Pixel Media, em 2016. A editora publicou um título bimestral em formatinho, de 2012 a 2015. Nesse ínterim – e até 2016 -, foram lançadas quatro edições de O Livro de Ouro do Recruta Zero, coletânea de luxo das melhores tiras, nas versões em capas cartonada e dura. Essas coletâneas apresentaram materiais mais recentes, incluindo as tiras em que Zero e Dona Tetê – secretária do General Dureza – comentam sobre seu relacionamento amoroso (o inesperado namoro começou desde o final da década de 1990 e segue firme e forte até hoje).

E lá se vão 67 anos desde a chegada do Recruta Zero ao Brasil. Aqui, ele construiu uma história tão rica que seus gibis não merecem ter fim nas bancas. Que este hiato seja apenas uma pequena pausa.

Já são mais de 470 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA