Confins do Universo 204 - Marcelo D'Salete fazendo história (em quadrinhos)
OUÇA
Museu dos Quadrinhos

Grandes personagens das HQs marcaram presença no suplemento Super PLÁ

15 julho 2015

Museu dos Quadrinhos, por Marcelo Naranjo

Super Plá # 1Na década de 1970, as editoras Super Plá, Interpolar e Paladino, todas elas ramificações da Editora Saber, publicaram vários títulos no formato conhecido como “tijolinho” – formatinho com bom número de páginas e papel jornal, na maioria das vezes com HQs de humor e faroeste, além dos clássicos dos quadrinhos.

Super PLÁ também foi o nome de batismo de um suplemento em quadrinhos da editora homônima, publicado em 1971, que trouxe diversos personagens famosos – dentre eles, por exemplo, Fantasma, Tio Patinhas, Príncipe Valente, Popeye, Pinduca, Brick Bradford, Pafúncio, Pato Donald, Príncipe Valente e Flash Gordon.

Os suplementos, aliás, fizeram sucesso no Brasil por várias décadas e devem ser considerados parte fundamental da história dos quadrinhos publicados em nosso país.

Como conta o professor Roberto Elísio dos Santos, “os suplementos de quadrinhos brasileiros foram tão bem aceitos pelo público que deixaram de ser encartados em jornais e passaram a ser publicados periódica e continuamente, sendo vendidos como publicações independentes de diários impressos” (Gibi – A revistas sinônimo de Quadrinhos, Via Lettera, 2010).

Publicado na década de 1970, Super PLÁ não teve tanta repercussão quanto o Gibi Semanal, da RGE, que durou 40 números. Com duração menor, foram somente sete edições lançadas em bancas, porém com material diferenciado e uma seleção de títulos das mais interessantes.

No primeiro número, que tinha o Tio Patinhas em destaque na capa, estava a sessão Cantinho do Leitor, cujo primeiro parágrafo está reproduzido a seguir.

Pronto. Você está lendo um jornal que é todinho seu, pode crer. Ele foi estudado e feito pensando no bando de gente que gosta de estória em quadrinhos. E este bando está ficando cada vez manior. Quadrinho é bacana, não? Ensina muito e de maneira fácil. Você é bem esperto em ter comprado a Super PLÁ”.

Nessa edição, começava uma aventura do Fantasma com roteiro de Lee Falk e arte de Si Barry, na qual o velho Moz, um sábio ancião das selvas, narra a suposta história na qual o Espírito-que-Anda enfrentou uma feiticeira. O Príncipe Valente teve direito a uma página, com arte do inigualável Hal Foster. Brick Bradford enfrenta ameaças no planeta Xeno, com arte e roteiro de Paul Norris. Zorro e Tonto tentam ajudar um mensageiro do exército, com texto de Paul S. Newman e arte de Charles Flanders. Tim Tyler trazia as aventuras de Tim e Tom, em busca de uma árvore rara, com roteiro de Lyman Young e arte de Tom Massey.

Super Plá # 2Super Plá # 3

Todas elas aventuras incompletas e com o famoso “continua...”, pois a publicação de HQs seriadas é inerente à maioria dos suplementos infantis e juvenis, desde suas origens.

A primeira edição desse título trazia também várias HQs curtas e completas, todas cômicas, de épocas diversas, de séries como Pinduca (Carl Anderson), Pafúncio (Bill Kanavagh e Frank Fletcher), Blondie (Chic Young), Pena Verde (Gordon Bess), Tijolada (Bob Weber), O Reizinho (Otto Soglow), Mickey Mouse, o Coelho Quincas, O Capitão e os Garotos (Joe Musial), Zé o Soldado Raso (Mort Walker), O Sabichão (de Bob Montana, o criador de Archie), Doce Lar (Mort Walker e Dik Browne), Popeye (Bud Sagendorf), Banzé, A Nossa Turma (Bud Blake), A Vovozinha (Frank Roberge), Espoleta (Ted Shearer), Pato Donald e Tio Patinhas.

Uma curiosidade é que algumas das séries tinham nomes diferentes dos já conhecidos no Brasil, à época. Assim, Mancada virou Tijolada; Zezé e Cia. passou a se chamar Doce Lar; Touro-Sentado (que também teve o título de Pé-frio) estava como Pena Verde; A Garota Pra Frente também foi conhecida como Pingafogo e Filomena.

Até mesmo duas HQs cômicas produzidas no Brasil estavam presentes: O Praça Atrapalhado e Dr. Estripa, ambas criações de Eduardo Carlos Pereira, que assinava como Edú. O Praça era uma variação do Recruta Zero, com um soldado que sempre deixava o Sargento maluco. Já o Dr. Estripa era um médico nada recomendável.

Super Plá # 4Super Plá # 5

O terceiro número trouxe a estreia do Tarzan enfrentando os Homens-Fera, no traço de Russ Manning, além do Brucutu de V.T.Hamlin, com o famoso Homem das Cavernas metido em encrencas com o Rei Guz, mandatário da cidade de Moo.

Mais estreias no quarto número do título – Terry e os Piratas por George Wunder, A Família Buscapé por Al Capp, Os Náufragos de Howard Post e Snuffy Smith (que também foi conhecido como Zé Fumaça e Capim Gordura) de Fred Lasswell.

Na capa da quinta edição, notícias passam a dividir o espaço com as chamadas dos quadrinhos, um possível sinal de que as vendas não deviam ser o esperado.

No sexto número os destaques foram a chegada do Flash Gordon de Dan Barry e do Mandrake de Lee Falk e Fred Fredericks e, na sétima e derradeira edição, estrearia o Capitão Cesar de Leslie Turner.

O suplemento Super PLÁ foi um título pouco conhecido, mas que trouxe uma gama rica e variada de clássicos personagens da nona arte. E hoje, como tantas outras revistas em quadrinhos, virou relíquia de colecionador.

Marcelo Naranjo é do tempo em que era possível comprar gibis com o troco da padaria. Hoje até em dólar está difícil. Socorro!

Super Plá # 6Super Plá # 7

Dr. Estripa no Super Plá

Dr. Estripa no Super Plá

O Praça Atrapalhado no Super Plá

O Praça Atrapalhado no Super Plá

Tio Patinhas no Super Plá

Tio Patinhas no Super Plá

Já são mais de 570 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA