Confins do Universo 126 - Dando cores aos quadrinhos
OUÇA
Notícias

Belo Horizonte imortalizada no traço de Miguelanxo Prado

1 dezembro 2003

Belo Horizonte, de Miguelanxo PradoOs apaixonados por futebol dizem que Belo Horizonte é dividida assim: uma metade azul (Cruzeiro) e outra alvinegra (Atlético), com um pouquinho de verde (do América). Mas agora a cidade está sendo retratada em todas as suas cores. E em grande estilo.

A Casa 21, responsável pela curadoria do FIQ, lança, no dia 10 de dezembro, na Casa do Baile (Av. Otacílio Negrão de Lima, 751 - Pampulha - Tel.: 0XX-31-3277-7443), a partir das 19 horas, o belíssimo álbum Belo Horizonte, do espanhol Miguelanxo Prado.

Página de Belo HorizonteAté 31 de dezembro, o livro (formato 27 x 22 cm, capa dura, 88 páginas coloridas) está à venda pelo site Quadrinho.com pelo preço promocional de R$ 50,00. São 40 pranchas acompanhadas de um texto produzido por Miguelanxo Prado, que esteve em Belo Horizonte em 2001, no 2º Festival Internacional de Quadrinhos. Para produzir o álbum, ele percorreu diversos lugares da cidade, conheceu a produção cultural mineira e até assistiu a uma partida de futebol (Santos 1 x 0 Atlético Mineiro).

Belo Horizonte integra a coleção Cidades Ilustradas, cujo primeiro álbum foi Rio de Janeiro, do francês Jano. O terceiro será Salvador, por Marcello Quintanilha.

Página de Belo Horizonte, arte de Miguelanxo Prado
Em sua entrevista exclusiva ao Universo HQ, em 2001, Prado falou sobre a diferença entre o seu álbum e o de Jano.

Não são bem quadrinhos! O que Jano fez foram 30 pranchas, 30 cartões postais, e cada um têm uma pequena história. Ele é genial para fazer isso. Em cada imagem, contar uma história. O Rio é uma cidade conhecida em todo o mundo, o Pão de Açúcar, Ipanema, as garotas... são coisas que todos conhecem. E é um bom ponto de partida para mostrar o Rio que nem todos conhecem!

Página de Belo Horizonte, arte de Miguelanxo Prado
Belo Horizonte não é tão conhecida. Então, tenho que ir apresentando a cidade. Achei que um bom sistema seria utilizar a cidade como o cenário de uma história. Algo simples, porque o espaço é reduzido. Mas durante o decorrer da trama os leitores vão conhecendo a cidade.

No final, vão descobrir que Belo Horizonte não é apenas o cenário, mas sim o personagem principal da história.

O prefácio de Belo Horizonte é de John, do grupo Pato Fu. Confira abaixo as palavras do músico.

Página de Belo Horizonte, arte de Miguelanxo Prado
Já vou avisando: não sou mineiro de mineiridades. Nem de belorizontismos. No entanto, cá estou, olhando pra estas imagens. Conheço todos estes lugares. É esta a luz, esta a sombra. É esta a cor, estes os cinzas.

O que é preciso pra empacotar tão bem assim o espírito de uma cidade? Olha! É este o guardinha e este o asfalto! Tudo confere ponto a ponto com as imagens arquivadas em minha memória.

Página de Belo Horizonte, arte de Miguelanxo Prado
Agora pronto, me deu vontade de voltar a todos estes lugares, pra ver se é isso mesmo. Danado, esse galego. Tem certeza de que não nasceu ali na Maternidade Santa Fé?

Miguelanxo Prado, sinta-se em casa!

Agora, além de possuírem o maior evento de HQs do Brasil, os mineiros de Belo Horizonte podem se orgulhar de ter sua cidade imortalizada por um dos maiores quadrinhistas do planeta.

Já são mais de 640 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA