Confins do Universo 138 - Não está no gibi; está nos livros! -
OUÇA
Reviews

CONAN, O CIMÉRIO # 14

1 dezembro 2007


Título: CONAN, O CIMÉRIO # 14 (Mythos
Editora
) - Revista mensal

Autores: O Íbis e a Serpente - Kurt Busiek (roteiro), Cary Nord, Tom Mandrake e Thomas Yeates (arte).

Preço: R$ 4,90

Número de páginas: 24

Data de Lançamento: Maio de 2005

Sinopse: Na cidade de Hanumar, Kalanthes, Conan e Janissa têm seu confronto final com Thoth-Amon e seu demônio. O trio enfrenta os cidadãos que estão completamente dominados pela magia do feiticeiro e chegam a uma praça, onde a batalha tem seu ápice.

Enquanto Kalanthes usa seus poderes para deter o avanço do monstro-Thoth e Janissa invoca a presença de um deus ancestral, usando a jóia denominada Olho de Tik-Pulonga, Conan adentra o próprio monstro, cortando e dilacerando com sua espada, ao mesmo tempo em que seu corpo é retalhado pelos insetos do demônio.

Positivo/Negativo: Leinil Francis Yu, o responsável pela angustiante capa desta edição, empresta à arte uma sensação de impotência ao ilustrar Conan indefeso, preso por insetos e galhos, diante de uma espada quase ao seu alcance e, no entanto, sem poder tocá-la para se libertar.

Contudo, ao virar a página, a sensação de impotência desaparece, pois Conan, empunhando sua espada, não se mostra nada indefeso.

Apesar do confronto entre duas forças oriundas da magia, é a determinação de Conan que se torna o diferencial na batalha. Mais uma vez, ele prova que não deve ser subestimado.

A arte da revista continua excelente. Tom Mandrake finalizou apenas seis páginas, 17 a 22, enquanto Yeates concluiu as outras. Nesta edição, infelizmente, não há as sarcásticas aventuras de Bob Cano-Duplo.

Cabe aqui um adendo sobre a cronologia de Conan: de acordo com Robert E. Howard, no conto A Torre do Elefante (Conan - Espada e Magia # 1, da Unicórnio Azul, e Conan, o Cimério Vol. 1, da Conrad), o bárbaro parecia ter - antes de conhecer Zamora e depois de ter passado pela Nemédia - estado na Aquilônia e em Koth.

Na página 100 de Conan, o Cimério Vol. 1, ao falar da relação entre o bárbaro e os zamorianos, Howard diz que estes últimos "nem mesmo eram do seu sangue, como os britunianos mais a oeste, os nemédios, os kothianos e os aquilonianos, de cujos mistérios ele (Conan) tomara conhecimento tempos atrás".

Como ocorreu com Dale Rippke em sua cronologia - com a qual estes resenhistas concordam parcialmente -, o leitor é levado à conclusão de que o percurso de Conan da Ciméria, após fugir da Hiperbórea, foi: Britúnia, Nemédia (Deus na Tigela), Aquilônia, uma brevíssima estada em Ophir, Koth (para onde deveria ter ido com Jiara, a colega desta e o mercador) e, finalmente, Zamora.

De qualquer modo, o trajeto feito por Kurt Busiek (Britúnia - Nemédia - Ophir - Coríntia - Zamora) está bem menos distante da concepção howardiana do que a equivocada idéia de DeCamp - engolida por Roy Thomas e muitos outros - de que o Cimério teria ido da Hiperbórea para Zamora, passando somente pela Britúnia.

Classificação:

4,0

Leia também
Já são mais de 540 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA