Confins do Universo 134 - Quadrinhos e esportes: dá jogo, nocaute, pedal... -
OUÇA
Reviews

Novos Titãs Zero – Novos 52

22 maio 2015

Novos Titãs ZeroEditora: Panini Comics – Edição especial

Autores: Clonevolução (Superboy # 0) – Tom DeFalco (roteiro), R.B. Silva (desenhos), Rob Lean (arte-final), Tanya, Richard Horie e Hi-Fi (cores);

Jogos noturnos (Superboy # 12) – Tom DeFalco (roteiro), Robson Rocha e Eduardo Pansica (desenhos), Greg Adoma, Mariah Benes e Andy Owens (arte-final) e Richard e Tanya Horie (cores);

Lei e desordem (Superboy # 13) – Tom DeFalco (roteiro), R.B. Silva (desenhos), Rob Lean (arte-final) e Richard e Tanya Horie (cores);

Robin Vermelho (Teen Titans # 0) – Scott Lobdell (roteiro), Tyler Kirkham (desenhos), Batt, Norm Hapmund e Jon Sibal (arte-final) e Andrew Dalhouse (cores);

A origem da Moça-Maravilha (Teen Titans # 13) – Scott Lobdell argumento), Fabian Nicieza (roteiro), Ale Garza (arte) e Andrew Dalhouse (cores);

A origem da Moça-Maravilha – Parte 2 (Teen Titans # 14) – Scott Lobdell (roteiro), Fabian Nicieza (assistência no roteiro), Ale Garza (arte) e Andrew Dalhouse (cores);

Primeiro dia (Ravagers # 0) – Howard Mackie (roteiro), Ian Churchill e Norm Rapmund (arte) e Hi-Fi (cores).

Preço: R$ 16,90

Número de páginas: 144

Data de lançamento: Outubro de 2013

Sinopse

No “mês zero” do Universo DC, novas e surpreendentes revelações sobre o passado de Superboy, Robin Vermelho, Moça-Maravilha e Devastadores.

Positivo/Negativo

Até que as versões pós-reboot de Novos Titãs e Superboy tiveram um início auspicioso pelas mãos do roteirista Scott Lobdell, mas logo as duas séries se perderam em meio a tramas confusas e personagens de pouco carisma. Esta edição zero dos super-heróis adolescentes da DC Comics, lançada em 2013 pela Panini, apresenta algum crescimento em suas jornadas, mas também acaba recaindo em histórias fracas.

Curioso que a editora insistiu em fazer do Garoto de Aço novamente um clone do Superman, mas sem o mesmo carisma da encarnação apresentada por Karl Kesel e Tom Grummett, na década de 1990, após a morte e o retorno do kryptoniano.

Ainda assim, é o jovem quem protagoniza as melhores cenas do encadernado. Depois de algumas bobagens envolvendo o passado de Krypton, Kon-El se destaca no clima de juventude com paquera e curtição numa boate badalada, em que sua origem de “arma viva” pode nem importar tanto. Cortesia de Tom DeFalco.

Continuando o momento de grandes revelações, Lobdell coloca em detalhes uma nova gênese para Tim Drake, conhecido agora como Robin Vermelho. O autor descarta a cronologia pregressa do esperto vigilante, inclusive os bons trabalhos de Marv Wolfman e Chuck Dixon, ainda que tente resgatar algo da personalidade marcante do Menino-Prodígio.

O autor é bem intencionado, mas o resultado decepciona. Pior é que essa trama contradiz elementos da própria continuidade dos Novos 52, afirmando que o garoto nunca foi Robin antes de sagrar-se Robin Vermelho. É o tipo de problema que compromete a evolução de um universo partilhado e deixa clara a falta de planejamento editorial da DC.

Na sequência, o volume apresenta a origem da Moça-Maravilha, também repaginada ao novo contexto, sem ligação aparente com a Princesa Diana. E mais tentativas de diálogos espertinhos que não cativam. Lobdell bem que poderia tomar aulas com Brian K. Vaughan e Nick Spence...

Finalizando, Howard Mackie e Ian Churchill revivem o pior da década de 1990 numa história fechada dos Devastadores, cheia de imagens bonitas e nenhuma personalidade. Incrível como a nova DC prestigia autores de um passado que não deixou saudades e cerceia a liberdade de talentos maiores. Figuras como Terra e Mutano, que fizeram a história dos Novos Titãs na clássica epopeia O Contrato de Judas, surgem totalmente vazios, sem o brilho dos primórdios.

No geral, são enredos pouco inventivos, que falham na tarefa de mergulhar o leitor no mundo da ação e da fantasia. E parece que, seja nos Estados Unidos ou no Brasil, essa reformulação da “molecadinha” não agradou ao grande público.

A Panini iniciou a publicação dessas aventuras na revista mensal Superboy e Novos Titãs, de venda exclusiva em comic shops, passou à forma de encadernados e agora posicionou os garotos na série da Liga da Justiça.

O título original Teen Titans já passou por mais um relançamento com equipe criativa diferente, enquanto Devastadores e Superboy não resistiram às agruras de escritores menos cotados. Triste destino para quem já foi carro-chefe da editora e best seller do mercado de quadrinhos.

Scott Lobdell, Fabian Nicieza, Tom DeFalco, Howard Mackie e tantos outros simplesmente não trabalharam a contento a vida de heróis fantasiados numa fase marcante da vida.

Resta esperar que futuras investidas na adolescência superpoderosa tragam resultados melhores. Fãs de todas as idades ficam na torcida.

Classificação

2,5

Leia também
Já são mais de 640 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA