Confins do Universo 188 - Sonhando com quadrinhos
OUÇA
Reviews

O PROLONGADO SONHO DO SR. T

1 dezembro 2007


Título: O PROLONGADO SONHO DO SR. T (Zarabatana
Books
) - Edição especial

Autor: Max (texto e arte).

Preço: R$ 29,00

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Dezembro de 2006

Sinopse: Cristóvão T. sonhou por 40 dias consecutivos e, quando acordou, registrou tudo em um álbum - que recheia as páginas de O Prolongado Sonho do Sr. T.

Enquanto dormia, o personagem entrou em uma busca insana por um misterioso homem chamado Scallywax (ou Waggs ou Escalibachs ou Skully Waggs). No caminho, encontra-se com outros seres, que também têm seus sonhos.

Positivo/Negativo: A tradição de ficção onírica se esparrama por diversas artes. Os quadrinhos não são exceção - desde os primórdios, com o estupendo Little Nemo in Slumberland, até o recente e cultuado Sandman, de Neil Gaiman. A chegada de O Prolongado Sonho do Sr. T reforça o tremendo poder que os sonhos têm quando inspiram artistas.

Trata-se, desta vez, de um mergulho no inconsciente, com seus tropeços e armadilhas, mas também com descobertas valorosas - seguindo a velha linha de que ninguém acorda diferente de um sonho.

Como na tradição xamânica, que chegou aos nossos dias influenciando a contracultura norte-americana dos anos 60, sonhar é uma experiência de autodescoberta. Não é por acaso que a psicanálise adora explorar sonhos alheios.

A arte em preto-e-branco de Max acompanha a viagem de Cristóvão T. em busca de Scallywax (ou Waggs ou Escalibachs ou Skully Waggs ou seja como for) e de suas manifestações, e é bom que o leitor acompanhe as pistas largadas pelo cenário.

O traço vai mudando e se adaptando ao clima que o autor quer passar a cada momento. Por vezes, é tão pop quanto um desenho animado do Cartoon Network, em outras é tão naïf quanto uma xilogravura.

O pequeno álbum, bem-editado, de leitura deliciosa, marca a estréia da editora Zarabatana, de Campinas, que promete publicar quadrinhos adultos do mundo todo.

Além disso, contempla um filão que ainda estava largado no boom dos quadrinhos dos últimos anos: pega um autor que chegou por aqui pelas páginas da extinta revista Animal. Max fazia, na época, seu divertido Peter Punk, versão pervertida do personagem de J.M. Barrie.

Classificação:

4,0

Leia também
Já são mais de 570 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA