Confins do Universo 138 - Não está no gibi; está nos livros! -
OUÇA
Filmes

Resenha: O Esquadrão Suicida é uma agradável surpresa

16 agosto 2021

A primeira cena de O Esquadrão Suicida mostra o Sábio (Michael Rooker) matando um lindo passarinho com uma bola. De cara, o diretor e roteirista James Gunn já mostra que não veio para pegar leve.

Em cinco minutos, com cenas de apostas e cintos de segurança, este filme já dá um banho de personalidade na sua contraparte de 2016. Em 15, a cena do passarinho dá a volta e o espectador já sabe que embarcou numa deliciosa montanha-russa.

Assim como na série Game of Thrones, a sensação de que nenhum protagonista está a salvo é bem-vinda, dando uma real sensação de consequências em potencial ao colocar qualquer personagem em situações de perigo. Isto reflete uma das vantagens da classificação indicativa mais alta, que usa e abusa de violência gráfica para mostrar que a morte está sempre à espreita.

Violência também que nunca pesa para um lado soturno. Pelo contrário. O humor permeia toda a obra, advindo de maneiras criativas de matar uma pessoa, pura comédia pastelão e diálogos sagazes bem encaixados.

Quando o Sanguinário (Idris Elba) e o Pacificador (John Cena) ficam se bicando sobre quem é o melhor matador, é impossível segurar as risadas de ver dois homens enormes agindo como adolescentes imaturos (a fala sobre “acertar mais no centro” é impagável).

Aliás, Elba é um baita ator e entrega a qualidade já esperada dele, mas Cena é um achado cômico, com ótimo timing e abraçando a proposta caricata de seu personagem.

Margot Robbie interpreta Arlequina pela terceira vez em um longa-metragem, e está à vontade no papel, com carisma de sobra para as excentricidades que solta com tamanha naturalidade. Joel Kinnaman agora tem um Rick Flag que é, de fato, interessante e carismático, e com um senso de camaradagem que é uma agradável surpresa auxiliando na criação de laços entre os membros do time.

Viola Davis está novamente perfeita como Amanda Waller, talvez ainda mais implacável e durona ao montar seu time de criminosos descartáveis que, com a boa mão de Gunn mesclando ação e comédia, parecem pessoas com passados, e não avatares unidimensionais de maldade.

Até mesmo os vilões mais obscuros da DC, como o Homem-Bolinhas (David Dastmalchian), Caça-Ratos 2 (Daniela Melchior) e Tubarão-Rei (Sylvester Stallone) dão gosto de ver na tela, com este último conseguindo ter uma inocência adorável, que possivelmente vai resultar em inúmeros fãs após as sessões.

Pode-se argumentar que os vilões, ou melhor, antagonistas, são os tais avatares unidimensionais de maldade mencionados acima, mas isso pouco importa, já que o foco no time principal e a mão firme e inspirada de Gunn compensam com louvor. Há uma cena de luta totalmente testemunhada pelo reflexo no capacete platinado do Pacificador que é um atestado à criatividade do diretor.

James Gunn adora personagens desajustados, sejam heróis ou vilões, e os presenteia com histórias que os humanizam e os homenageiam. Se acertou ao criar uma família com os Guardiões da Galáxia, ele melhora sua teia de humor e adrenalina para que o drama pedido pela história tenha impacto e atravesse a montanha-russa de sangue e traição para atingir o coração do espectador. O Esquadrão Suicida é um dos melhores filmes da DC em muitos anos.

O Esquadrão Suicida
Duração: 132 minutos
Estúdio: Warner Bros.
Direção: James Gunn
Roteiro: James Gunn
Elenco: Margot Robbie, Viola Davis, Joel Kinnaman, Jai Courtney, Idris Elba, John Cena, Michael Rooker, Nathan Fillion, Peter Capaldi, Flula Borg, Mayling Ng, Pete Davidson, Sylvester Stallone

Já são mais de 540 leitores e ouvintes que apoiam o Universo HQ! Entre neste time!
APOIAR AGORA